Eleição no DF terá venda de bebida liberada

 

A legislação eleitoral tem uma série de regras para os eleitores no dia da votação, com penalidade para quem infringi-las. Diferentemente do que aconteceu em 2014, este ano não haverá proibição da venda de bebida alcoólica no Distrito Federal

Mais de 2 milhões de moradores do Distrito Federal estão aptos a ir às urnas, neste domingo, separados entre os 609 locais de votação. Entre os preparativos para o pleito, o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) conta com a ciência do eleitor quanto às responsabilidades. Para evitar a demora das filas e as possíveis complicações em frente à urna eletrônica, o Correio destaca as obrigações do cidadão no próximo dia 7.

Diferentemente do que aconteceu em 2014, neste ano não haverá proibição da venda de bebida alcoólica, a chamada Lei Seca Eleitoral, segundo a assessoria de comunicação do TRE-DF.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estreia nessas eleições o aplicativo e-Título, um documento eletrônico disponível nas plataformas IOS e Android. A ferramenta possibilita a consulta do local de votação, a emissão de quitação eleitoral e o mapa dos locais onde pode-se justificar a ausência no pleito. Além do aplicativo, as consultas podem ser feitas no site do TSE.

Ciente de seu local de votação, o eleitor deve se planejar em relação ao horário, sendo possível votar das 8h às 17h. Há zonas eleitorais com maior número de eleitores por seção, o que aumenta as filas em frente à cabine eleitoral. Em regiões como o Riacho Fundo I, são cerca de 350 pessoas por urna. Segundo Fernando Velloso, assessor de comunicação do TRE-DF, "historicamente, no DF, a votação flui com muita tranquilidade. A biometria será feita pela segunda vez, então acreditamos que será mais rápido. Mas é importante o eleitor não deixar pra chegar muito perto da hora do término, às 17h".

 

Matéria escrita pelo jornalista Cézar Feitoza - Especial para o Correio Braziliense